Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rancho Folclórico e Etnográfico da Vila de Pias Ferreira do Zêzere

Rancho Folclórico e Etnográfico da Vila de Pias Ferreira do Zêzere

Atuação nos Açores

 

O Rancho Folclórico e Etnográfico da Vila de Pias deslocou-se entre os dias7 a11 de Junho a Ilha de S. Miguel (Açores). Este Rancho foi convidado pela junta da Maia para se deslocar a essa freguesia para actuar na semana da Cultura, pois o Frei Gonçalo Velho Cabral, o povoador destas ilhas e seu descobridor oficial cuja assinatura surge em diversos documentos como Gonçalo Velho das Pias, sim, das nossas Pias, onde viveu e foi Comendador.

  Ficamos alojados na Santa Casa da Misericórdia desta Freguesia onde fomos muito bem recebidos. Foi muito importante para este Rancho e para todos os elementos a convivência com outra cultura mesmo pertencendo ao mesmo País. Criamos laços de amizade fortes e conseguimos mostrar a nossa cultura e dar-lhes a conhecer um pouco do nosso continente. Mesmo pertencendo ao mesmo país deparamo-nos com muitas pessoas que nunca tinham ouvido falar de Ferreira do Zêzere, de Tomar e muito vagamente de Lisboa. No dia 9 de Junho actuaram dois ranchos dessa ilha e o último foi o Rancho de Pias onde se encontrava muitas pessoas a assistir e a aplaudir.

Durante a nossa deslocação participamos na RTP Açores, onde explicamos o porque da nossa ida aquela freguesia e também um pouco da nossa cultura, no dia 10 de Junho também realizarmos uma entrevista para à Rádio Despertar do Zêzere, onde tentamos criar laços entre a Maia e os Açores, acho que esse objectivo foi alcançado.

            Desde já gostaríamos de agradecer a todos os fizeram que esta deslocação fosse possível e a todos que diariamente lutam por levar a nossa cultura muito mais além. 

 

 

Pias

Localização da freguesia de Pias

 

Pias é uma das 9 freguesias do conselho de Ferreira do Zêzere e do distrito de Santarém sendo as restantes: Beco, Areias, Igreja Nova, Ferreira do Zêzere, Dornes, Chãos e Águas Belas, e Paio Mendes.

O concelho de Ferreira do Zêzere encontra-se delimitado a oeste por Ourém, a Este por Vila de Rei a sul por Tomar e a Norte por Cabaços. Tem uma área de 190,4 km² sendo a área de Pias 9,9 km² de Território.

Podemos afirmar que o concelho de Ferreira do Zêzere é um dos concelhos mais bonitos da região.

Este concelho é limitado a nascente por um importante curso de água – o rio Zêzere que nasce a 1900m de altitude na Serra da Estrela, e que se funde com o Tejoem Constância. Foio rio que deu o nome a Ferreira do Zêzere e é neste que se situa uma importante obra de Hidráulica – albufeira do Castelo de Bode (barragem situada no concelho de Tomar). O Rio é também a principal atracção turística da zona, permitindo aos seus visitantes deslumbrarem-se perante as fantásticas paisagens que são oferecidas.

Toda a região é muito acidentada e com estrutura geológica variada mas, não existem afloramento rochosos significativos e o subsolo é pobre, facto que influência a natureza do manto agrícola e florestal. A freguesia de Pias é limitada por várias serras, uma dela a serra de Santa Catarina.

As freguesias deste concelho são essencialmente rurais, mas bastantes diferentes entre si, pois se fizermos uma comparação entre as freguesias, encontraremos poucos pontos em comum, apenas da hospitalidade das nossas gentes.

 

 Historia da Freguesia

        

É uma freguesia muito cheia de tradições e belezas naturais, pobre e humilde como qualquer aldeia do interior no século XVI, mas pelas suas gentes serem tão hospitaleiras o rei Direito João III, que tinha passado pelas Pias, no dia 25 de Fevereiro de 1534 ergue – a Vila, sendo seu Capitão-mor João Gomes.

O seu concelho agrupava também as freguesias de Areias, Chãos, Igreja Nova e Alviobeira (que hoje pertence ao concelho de Tomar). Era muito rica em vinhas pertencentes a ordem de Cristo.

A nível arquitectónico, destaca-se o ilustre pelourinho, a igreja da Freguesia do séc. XVI e vários túmulos de Pedra “espalhados” pelas serras da Freguesia (ano desconhecido), a câmara nos paços do concelho (hoje encontram-se em ruínas) e o Hospital que se encontrava na freguesia da Areias.

Em Novembro de 1836 Pias deixa de ser uma colectividade independente, sob o ponto de vista administrativo, pois estava incluído nos 465 concelho que foram eliminados por serem pequenos, passando a fazer parte do actual concelho de Ferreira do Zêzere.

 

AS Pias

A origem deste nome está relacionada com duas Pias (Ilustração 3), onde os animais bebiam água e a população lavava a roupa. Diz o povo que estas Pias deram o nome à antiga Vila de Pias. Tem uma data de construção difícil de decifrar.

 

 

 Cruz das Almas

Conta-se que há muito tempo morreram duas mulheres abraçadas uma á outra. Puseram uma cruz de madeira para marcar esse lugar.

         Em1973 acruz de madeira foi substituída por uma de ferro, que foi colocada junto do cruzamento.

Quando passava um funeral junto á cruz as pessoas paravam para rezar.

 

Pelourinho

 Há muitos anos as pessoas eram julgadas pelo juiz que dava a sentença. Umas eram presas, ou enforcadas no pelourinho. Quando as pessoas eram enforcadas a população ia assistir para verem o que acontecia e para não voltarem a fazer a mesma coisa.

         O pelourinho fica situado num lugar ao pé da Igreja.

 

Solar

            O Solar é uma casa muito antiga. Dantes os reis ás vezes vinham lá passar férias e fazer as caçadas. A casa está dividida em duas partes.

         As pessoas dizem que uma parte era a casa do carcereiro e por baixo era a prisão. A outra parte era a Câmara e onde se faziam as audiências. Por baixo era uma loja onde se arrecadavam os penhores e mercadorias que vinham de fora.

 

 

Igreja

A Igreja foi construída em 1588. Os habitantes de Pias tinham que ir á Igreja de Areias. Como lhes ficava muito longe a população resolveu construir uma Igreja na sua localidade.

         A imagem de São Luís que estava numa capela antiga em ruínas, foi mudada para a Igreja. No segundo Domingo de Agosto Realiza-se em honra deste Santo, que é seu padroeiro, uma festa anual.

         Antigamente enterravam-se as pessoas importantes na Igreja. No chão ainda se podem ver os túmulos com as datas e os nomes das pessoas que lá foram enterradas.

Pego

Podemos dizer que este lugar é um dos mais calmos da freguesia, fica situado a ocidente da freguesia de Pias, junto de uma Ribeira.

         Este lugar nem aos antigos passou despercebido, pois, encontra-se cravado numa rocha a cruz da ordem de Cristo, um símbolo com muitos séculos.

 

Túmulos

Espalhados em vários lugares, muitos deles dentro de mato, encontramos túmulos.

         Os túmulos são pedras cravadas no chão, com o formato do corpo humano, já com muitos séculos de existência.

 

 

 

Ordenação Heráldica

O brasão desta organização ainda não esta finalizado, apenas falta a parte burocrática. Mas como irá ser ainda está nos segredos dos deuses, apenas posso dizer que terá as cores das freguesias da Areias e Chão, símbolo do grande concelho que foi. Aproximadamente daqui a 2 anos terá finalizado.

 

 Alguns dados actuais da freguesia de Pias

População: aproximadamente 650 habitantes;

 

 

Orago: S. Luís;

 

Festas e Romarias: todos os anos em Agosto realiza-se a festa em honra se S. Luís entre outras;

 

Património Cultural: o património cultural é composto por pelourinho, a igreja matriz, “os tanques” que deram o nome a freguesia e as várias capelas que se encontram por toda a freguesia

 

População: 

 

População residente

Nº eleitores

Homens

Mulheres

513

299

323

 

 

 

 

 

Estrutura territorial (em 2000):

Densidade populacional (hab/km²): 62,9

Área (km²): 9,9

Nº de lugares: 10

Nº de eleitores: 513

 

Estrutura demográfica:

 

0-14: 138 (22.2%)

15-64: 362(58.2%)

65 e mais : 122 (19.6%)

 

                                             

Indicadores de qualidade

 

Redes de Transportes:

Redes de transportes públicos – Sim

Praça de Táxis – Sim

Estação de CP – Não

Estação de Correios – Não

  

Colectividades 

Esta freguesia sendo uma das mais pequenas do nosso conselho tem actualmente:

    Grupo Desportivo, Cultural e Recreativo de Pias; 

Esta associação foi criada em 24 de Abril de 1978. A população desta freguesia sentiu a necessidade de criar uma colectividade de todos, um lugar onde poderiam reunir-se, jogar as cartar, dançar, ou seja, era o ponto de encontro da população. 

 

    Rancho Folclórico e Etnográfico da Vila de Pias; 

O Rancho Folclórico e Etnográfico da vila de Pias foi fundado a 19 de Abril de 1998, com o objectivo de unir os jovens e preservar os uses e costumes dos nossos antepassados.

         As suas danças têm várias influências beirãs, Alto e Baixo Ribatejo e são compostas por viras, fados, fandango e danças de roda.

         Os seus trajes reportam ao fim do século XIX, princípios do Século XX, foram reproduzidos através de pesquisas efectuadas as pessoas de mais idade da nossa freguesia e em dados que se encontram nas quintas da nossa freguesia. São compostos por traje de Noivos, trajes de Domingueiro, trajes de Trabalho, criada, entre outros.

         O Rancho Folclórico e Etnográfico da vila de Pias têm participado em várias actuações por todo o país. No estrangeiro já actuou na Suiça em 2001, e em New Jersez (Estado Unidos da América) em 2005 e já participou em programas televisivos da RTP 1.

         É sócio efectivo da Federação do Folclore Português desde 2002, Filiado no INATEL desde 1998 e é sócio da Associação de Defesa de Folclore da Região de Turismo das Templários.

 

    Associação de Melhoramento e Bem – estar de Pias. 

Esta associação tem sede nesta freguesia mas, todos o seu trabalho é realizado na Frazoeira, em que possui um centro de dia e um lar de crianças desfavorecidas e com problemas.

Todos dos meses realizada um encontro de idosos em cada freguesia do concelho. Criou recentemente uma casa (antiga Casa do Povo) para albergar, em caso de necessidade, alguma família que necessite.

 

 

 

 

 

 

 

 

    Posto de Saúde

Foi criado para auxiliar a freguesia no que respeita a saúde, recentemente foi mudado para o antigo jardim-de-infância, pois o local onde se encontrava precisava de urgentemente de obras.

Antigamente o nome era “Casa do povo” mas, com as reestruturações que o Governo implanta, o seu nome é Posto de Saúde.

 

     Escolas da Freguesia

Esta freguesia possui 2 escolas primárias, sendo que uma possui o 1º e 2º ano e a outra possui o 3º e o 4º ano (Ilustração 13).Antigamente, como existia a divisão dos sexos, uma era para as raparigas e a outra para os rapazes. Em conjunto existem cerca de 30 crianças a estudar.

Junto a estas escolas primárias, existe o jardim-de-infância é pois uma maneira de desde de pequenos possam conviver e aprender com aqueles que já tem idade para ir a escola.

Adjacente a este jardim de escola existe o ATL para que depois da escola, as crianças que queriam podem passar a tarde. E também o refeitório onde as crianças almoçam todas reunidas com as professoras.

 

    Museu do Rancho Folclórico e Etnográfico de Pias

A ideia de um museu etnográfico nas PIAS, surgiu em Janeiro de 2002, entre os elementos do Rancho Folclórico e Etnográfico da Vila de Pias, como um projecto de dinamização da freguesia e de recuperação das mesmas tradições da mesma.

Contudo, apenas em Abril do mesmo ano, à data do aniversário do Rancho (Dia 19), foi aberto ao público um espaço albergando algum espólio, entretanto recolhido.

Letras das músicas

Vira de Entrada

 

I.

Siga o Rancho, siga o Rancho

Siga o Rancho para a frente

Aqui não há que dizer

Este ranchinho é da gente.

 

II.

Este ranchinho é da gente

É da nossa freguesia

Escolhidas uma a uma

Para melhor não havia.

 

III.

Bater palmas, bater palmas

Bater palmas, pois então

Ora viva o nosso Rancho

Viva todos quanto estão.

 

IV.

Viva o Vira e o Fandango

E viva o fado também

Ora viva o nosso Rancho

Viva meu pai, minha mãe.

Fado da beira do Rio

               I.       

Nasci à beira do rio

Numa noite de luar

As ribeiras por lá correm

Põem as pedras a chorar.

 

  II.     

Até os próprios peixinhos

Já ficam a brilhar

Pelo amor das ribeirinhas

Que p`ra eles vão chorar.

 

  III.     

É lindo ao nascer do dia

O rio tem outra cor

Os meus olhos têm mais

Brilho quando te vêm meu amor.

 

   IV.     

Ó rio não te vás embora

Para não dares tristeza

Deixa-te estar onde estás

Que ai tem mais beleza.

 

Ana Mariana

 

  1.  

Anda cá para o meu peito ó trim. Tim, tim ai, ai

Se vida tu queres ter

O meu peito dá saúde ó trim tim, tim ai, ai

A quem está para morrer.

 

Refrão:

Ó Ana, Mariana, Belmira, Ludovico,

Antónia, Francisca, Maria Joaquina

 

  1.  

O meu coração menina ó trim tim, tim ai, ai

Fecha com dois cadeados

Se de um lado fecha amor ó trim tim, tim ai, ai

Noutro penas e cuidados

 

Refrão

  1.  

Não olhes para mim, não olhes ó trim tim, tim ai, ai

Que eu não sou teu amor

Eu não sou como a figueira ó trim tim, tim ai, ai

Que dá fruto sem dar flor.

 Refrão

 

  1.  

A freguesia de Pias ó trim tim, tim ai, ai

Não é Vila nem cidade

É uma terra pequenina ó trim tim, tim ai, ai

Onde brilha a mocidade.

 

 

Anda cá Amor

  

  1.  

Ó meu amor, meu amor

Não te posso chamar, meu

Tu és um namora todas

Quem tem a fama sou eu.

 

Refrão:

Anda, cá amor, anda cá para aqui

Se de mim não gostas, eu gosto de ti

Eu gosto de ti, tu de mim já não

Eu olho para ti, tu olhas para o chão.

 

  1.  

Tu és um calça vincada

Tu és um tacão polido

Tu és um namora todas

Tu és um rapaz fingido.

 Refrão

 

  1.  

Nem que a tua mãe

Me desse a Quinta dos Olivais

Eu não casava contigo

Ai ó meu espanta pardais.

 Refrão

 

  1.  

Toda a mulher que se case

Grande castigo merece

Deixa seu pai, sua mãe

Vai amar quem não conhece.

 

 

Anda lá para diante

 

  1.  

Este ranchinho é nosso

É da nossa freguesia

Pró ano vai voltar

Com a mesma alegria.

 

Refrão:

Anda lá para diante

Que eu atrás de ti não vou

Não me prende o coração

Amar a quem me deixou.

Amar a quem me deixou

Amar a quem me amou

Anda lá para diante

Que eu atrás de ti não vou.

 

  1.  

Hei de cantar e bailar

Até que solteira for

Depois de casada, não

Quem governa é meu amor.

Refrão

 

  1.  

Eu hei de cantar e rir

Eu hei de rir e cantar

Eu hei de ser bem alegre

Às terras onde eu chegar.

Refrão

 

  1.  

Anda lá para diante

Ó te tiras do caminho

Quem vai amar a outro

Não vai tão devagarinho.

 Vira dos Malmequeres

    I.     

O vira dos malmequeres

É um vira bem decente

Dançam homens e mulheres,

Rapazes e toda a gente.

 

Refrão:

Ai vira, que vira

Com jeitinho a dançar

És um malmequer sem nunca murchar

Vira sempre assim, vira só para mim

Vira sem parar, e não queiras ter fim.

 

 II.     

Rapazes e raparigas

Este vira nosso é

Aprendam estas cantigas

E venham bater o pé.

 

Refrão

 

  III.     

Meninas vamos ao vira

Vamos dançá-lo a valer

Os rapazes da nossa aldeia

Ajudam-nos a batê-lo

Ajudam-nos a batê-lo

Mesmo assim é que é

No tempo da minha avó

Já se batiam o pé.

 

Refrão

 

 

Valsa do Moinhos

 

Os moinhos da nossa terra

Tem todos a vela branquinha

Como o véu da Nossa Senhora

P`ra fazer boa farinha.

 

Refrão:

Anda cá Maria

Não fiques à porta

Não fiques parado

Vem comigo à horta.

Anda cá Maria

Vem devagarinho

Agarra-te a mim

E dá-me um beijinho.

 

 

Ai as hortas da nossa terra

É no tamanho nas hortasSão como um jardim de flores

Que arranjamos bons amores.

 

Refrão

  

Ai as moças da nossa terra

Levam um raminho ao seu amorTem todas flores a porta

Quando vão juntos p`ra horta.

 

Refrão

 

 

São saias amor, são saias

 

São saias amor, são saias

São saias à Brasileira

Ai são cantadas e dançadas

Pelas meninas de Ferreira.

  

São saias amor, são saias

São saias feitas ás tiras

Ai são cantadas e dançadas

Pelas meninas cá de Pias.

  

São saias amor, são saias

São saias verdes e amarelas

Ai são cantadas e dançadas

Pelas meninas desta terra.

  

São saias amor, são saias

São saias de algodão

Ai são cantadas e dançadas

Na noite de São João.

 

 

 

Vira da nossa terra

 

         I.     

 

Meninas vamos ao vira           

Ai o vira que tu sabias             

Eu já vi dançar o vira

Ai as meninas de Pias.

 

    Refrão:

Acertem o vira

Acertem-no bem

O vira acertado

Muita graça tem.

 

Ò vira não vira

Senão viro eu

Teu pai é meu sogro

Teu amor sou eu.

 

   II.     

Meninas vamos ao vira

Ai que o vira é coisa bela

  Eu já vi dançar o vira

Ai às meninas desta terra.

 

Refrão

 

  III.     

Meninas vamos ao vira

Ai que o vira é coisa linda

Eu já vi dançar o vira

Ai às meninas cá de cima.

 Refrão

 

    IV.     

Meninas vamos ao vira

Para os sapatos romper

O sapateiro é pobre

Ajudai-a a viver.

 

 

Vira da Despedida

 

Despedida, despedida

Eu ainda não me despeço

Ai eu ainda agora a começo.Quem se despede acaba a vida

 

 

Refrão:

Belas ao meio

Bater as palmasBelas agora

Vamos embora

 

 

Raparigas cantem todas

Rapazes cantai com elas

Ai dos rapazes nem delas.Aqui não há que dizer

 

Refrão

  

Raparigas do meu tempo

Rapazes da mesma idade

Gozem vocês da mocidade.Já que eu me matei tão cedo

 

Refrão

 

Vou-me embora, vou-me embora

Isso é que agora vou

Ai a mim ninguém me mandou.Vou-me embora porque eu quero

 

 

 

As restantes musicas como se pode ouvir no CD, não tem letra.

Repertório

 

MÚSICA

TONALIDADE

 

TEMPO (m)

1

VIRA  DE  ENTRADA

RÉ MAIOR

225

2

FADO  DA  BEIRA  DO RIO

 

RÉ MAIOR

165

3

REINADIO

 

RÉ MAIOR

110

4

ANA  MARIANA

 

LÁ MENOR

125

5

ANDA  CÁ  AMOR

 

RÉ MAIOR

215

6

FADO  DAS  PALMAS

 

DÓ MENOR

100

7

ANDA  LÁ  PARA  DIANTE

 

RÉ MAIOR

130

8

FADO  DO  HARMÓNIO

 RÉ MAIOR

90

9

VALSA  A  QUATRO

 

RÉ MAIOR

200

10

VIRA  DOS  MALMEQUERES

 

DÓ MAIOR

220

11

VALSA  DOS  MOÍNHOS

 

DÓ MENOR

220

12

FANDANGO

 

RÉ MAIOR

220

13

SÃO  SAIAS  AMOR  SÃO  SAIAS

 

DÓ MAIOR

220

14

VIRA  DA  NOSSA  TERRA

 

DÓ MAIOR

220

15

ESCOVINHA

 

RÉ MAIOR

125

16

VIRA  DA  DESPEDIDA

 

DÓ MAIOR

220

17

FADO  DE  SAÍDA

 

DÓ MAIOR

80

Questionário

Nome dos Fundadores:

Isabel Gomes e Abílio Nunes.

Nome dos actuais directores:

Manuel Rosa e Fernando Jesus

Nome do director técnico ou ensaiador:

Daniel Godinho

Nome de antigos directores técnicos ou ensaiadores:

Isabel Gomes; Odete Penim; Mª da Concenição Penim;

Actuações em Portugal:

          Podemos dizer que desde do início da nossa fundação, tivemos muitas actuações que é difícil de nomeá-las todas. Podemos afirmar que tivemos mais de 91 actuações até ao final de 2002. Referimos a 2 de Junho de 2001 para Ferreira do Alentejo, 3 de Março de 2001 para Casal Sentista – Torres Novas, 21 de Julho para Avô, 4 de Agosto de 2001 em Penafiel, no dia 19 de Julho de 2002 para Santiago da Guarda, 17 de Agosto para o Sardoal, etc.

Actuações no Estrangeiro:

         Nos dias 2 e 3 de Junho de 2001 fomos actuar em Louzane na Suíça para a comunidade portuguesa. Em 2005 fomos actuar à América do norte, no dia das comunidades portuguesas. E em 2007 actuou nos açores, em maia.

 Festivais organizados pelo Grupo:

Todos os anos desde 1998, estivemos sempre um festival por ano. Em 1998 tivemos a participação do Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Minjoelho – Tomar, Grupo Coral e Etnográfico “Raízes de Alfundão” – Ferreira do Alentejo, Rancho Folclórico do Pinheiro Grande – Tábua, Rancho Folclórico da Bemposta, Rancho Folclórico da Charneca de Pombal, Rancho Folclórico de Arreciadas de Abrantes e o Rancho Folclórico e Etnográfico da Vila de pias – Ferreira do Zêzere. No ano de 2002 participou, o nosso V, o Rancho Folclórico de Vairão de Vila do Conde, o Rancho Folclórico “Os Ratinhos” de S. Miguel do Rio Torto – Abrantes, Rancho Folclórico de Vilarinho – Amarante, Grupo Folclórico de Aradas – Aveiro e é claro o Rancho anfitrião.

         No ano de 1999, 2000, 2001 com a mudança de direcção não conseguimos encontrar informações, por isso, as nossas desculpas. Actualmente ainda realizamos anualmente o nosso festival.    

 Discos Editados:

Temos um disco editado.

 De quem recebe subsídios:

O nosso Rancho recebe subsídios da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere, da junta de Freguesia de Pias.

 Quantos componentes têm o grupo:

      A) Directores: 4

      B) Dançadores: 22

      C) Cantadores: 6

      D) Tocadores: 7

      E) Outros acompanhantes: 8

Em que momentos eram executadas as danças e os cantares pelo povo da aldeia ou da região:

 As danças e cantares eram executados nos adros, nas ruas com largos, em casas particulares, e por vezes em lugares de arrumar e eiras.

Como apareceram as músicas e danças no grupo:

          As danças e cantares apareceram no Grupo através de recolhas de vários elementos do nosso Rancho a pessoas mais idosas da nossa freguesia que trabalharam nas quintas da nossa freguesia. Estas dizem que algumas eram cantadas e dançadas nas ceifas e na apanha da azeitona, como o Anda lá para Diante, o Vira dos Malmequeres, o Vira da nossa Terra, São Saias Amor São saias, entre outras; outras eram cantadas e dançadas nas casas Senhorias, uma delas a Quinta dos Olivais como o Anda cá Amor, a Valsa a Quatro, o Fado das Palmas, etc; outras eram dançadas ao som do harmónico como a escovinha e o Fado harmónico; o fandango que era considerada a música típica do Ribatejo, mas aqui era dançada ao desafio, entre rapazes e raparigas; como na nossa freguesia havia muitas quintas, onde muita gente trabalhava, muitas dessas pessoas vieram no Rio Fundeiro em crianças, que é ao pé do Rio, vinha guardar porcos e perus. Foi uma dessas pessoas já velhinha, que nos contou com as lágrimas nos olhos, esta dança é o Fado a Beira do Rio.

  Se ouve recolhas, quem as fez:

         Não houve nenhum elemento que se identifica-se mais, foram elementos que desde o início do Rancho e na sua continuação fizeram às pessoas mais idosas na nossa freguesia Essas pessoas cantaram-nas e explicaram-nos como eram dançadas.

 Possuindo trajes antigos, o local e a época em que eram usados:

         Nós não possuímos nenhum traje antigo, simplesmente nos foi emprestado alguns trajes de quintas abastadas e caso fosse impossível, fotografias. Como é o caso da Quinta do Sr. Baião em que tem tantos trajes, como fotografias e peças de trabalho guardadas religiosamente. As pessoas menos abastadas também nos explicaram mas, por vezes é difícil compreender pois são poucas as pessoas que tem fotografias. 

Nome e numero dos instrumento que compõem a tocada do nosso grupo:

         A tocata no nosso Rancho é composta por três acordeões, um Harmónico, uma Concertina, um Bombo, um reco-reco, uma cana, uma viola e um Ferrinhos.

Tratando-se de instrumentos típicos, onde eram ou são usados, quem os fabrica ou fabricava:

         Em Pias e na Zona de Ferreira do Zêzere, somente os instrumentos mais simples, feitos de cana por exemplo, ou utilizando cortes em madeira, pinhas, castanholas, etc., eram feitos por aqui, por quem tinha mais habilidade, os mais sofisticados eram comprados em casas apropriadas para o efeito.

         Eram e são usados em manifestações culturais, e por vezes individualmente, caso da Concertina e do harmónico.

 Indique se as danças, os cantares, os trajes e os instrumentos utilizados no grupo, correspondem à mesma época ou se foram usados na região em épocas diferentes:

         As danças, os trajes e os instrumentos utilizados no Grupo, situam-se entre os finais da última década do século XIX até à primeira década do século XX, isto sem datas rígidas mas, foi a partir de recolhas desta altura que se chegaram a conclusões quanto as substâncias dos conteúdos das músicas, dos trajes e dos cantares.